Gabriela Lie, 2014.
facebook - danielavila.com.br - tumblr

Gabriela Lie, 2014.

facebook - danielavila.com.br - tumblr

Artur Vidal, 2014.
facebook - danielavila.com.br - tumblr

Artur Vidal, 2014.

facebook - danielavila.com.br - tumblr

Ana Carolina, 2014.

facebook - danielavila.com.br - tumblr

Ana Clara Pazian, 2014.

facebook - danielavila.com.br - tumblr

Juliana Lautenschlager, 2014.

facebook - danielavila.com.br - tumblr

Há dois anos entrei pela primeira vez em uma sala de aula com o título de Professor. Títulos sempre me assustaram, o Fotógrafo, o Professor… Dessa vez não seria diferente. Lembro da ansiedade que tomou conta de mim e do número de garrafas de água que tomei para conter o nervosismo. Nesses dois anos tive a oportunidade de ministrar aulas para mais de 300 alunos. Nesta data não posso deixar de agradecer a cada um desses alunos que depositaram em mim sua confiança. Também devo agradecer a toda equipe do Instituto Internacional de Fotografia que me proporcionaram tamanha experiência. E ainda mais aos professores que tive durante esse caminho e me prepararam para chegar aonde estou. Mas junto a essa data e agradecimentos trago também um desabafo. Devo confessar que parte (boa parte) do meio educacional da fotografia me assusta e muito. Durante esses dois anos conheci muitos profissionais da área, alguns dignos e outros nem tanto. Durante minhas aulas costumo perguntar aos alunos sobre suas referências. Esse incômodo surgiu ao perceber que boa parte dos nomes que ecoavam pela sala eram de “fotógrafos de facebook” (taí um título interessante). Ficava me perguntando o que teria acontecido com grandes nomes como James Natchwey, Robert Capa, Miguel Rio Branco, Paolo Roversi, Irving Penn, Richard Avendon e tantos outros. Nomes que mudaram a história da fotografia. Lembro o dia que uma aluna me respondeu com um curto e grosso “Duane Michals!”. Ah, esse dia meu coração se encheu de alegria. Bom, nesse tempo de reflexão só pude concluir que a autopromoção é muito perigosa. Sei que não sou ninguém; e fico feliz por isso. Sempre preferi o submundo e a sujeira. A mochila rasgada e a lente riscada. Sei que minha fotografia não agrada a todos; mas agrada aqueles que gostaria de agradar. Não pretendo fazer de uma técnica, um segmento ou frases bonitinhas, minha fotografia. Espero que ela continue simples e sincera; com único intuito de expressar meus incômodos, alegrias e decepções! Um beijo e até breve. 

Foto: Nathalia Escarlate